Maio 24, 2022

Strobe

Acompanhe as últimas notícias de Portugal no NewsNow: o balcão único para as notícias de Portugal.

Biden e Putin falarão enquanto alertas para a Ucrânia aumentam

WASHINGTON, 12 Fev (Reuters) – O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e seu colega russo, Vladimir Putin, falarão neste sábado, enquanto nações ocidentais alertam que uma guerra na Ucrânia pode começar a qualquer momento.

Putin solicitou que o telefonema entre os líderes ocorresse na segunda-feira, disse uma autoridade da Casa Branca, mas Biden queria conduzi-lo mais cedo, já que Washington detalhava relatos cada vez mais vívidos de um possível ataque à Ucrânia.

A Austrália e a Nova Zelândia juntaram-se no sábado aos países que exortam os seus cidadãos a sair A Ucrânia, depois que Washington disse que uma invasão russa, incluindo um possível ataque aéreo, poderia ocorrer a qualquer momento.

Registre-se agora para ter acesso GRATUITO e ilimitado ao Reuters.com

Moscou contestou repetidamente a versão dos eventos de Washington, dizendo que reuniu mais de 100.000 soldados perto da fronteira ucraniana para manter sua própria segurança contra agressões de aliados da Otan.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, expressou esperança de que Putin escolha a diplomacia, mas Washington imporá sanções econômicas rápidas se Moscou invadir.

“Continuo esperando que ele não escolha o caminho da agressão renovada e que ele escolha o caminho da diplomacia e do diálogo”, disse Blinken a repórteres após uma reunião com líderes do Pacífico em Fiji. “Mas se ele não fizer isso, nós estamos preparado. “

Putin, lutando por influência na Europa pós-Guerra Fria, está buscando garantias de segurança de Biden para bloquear a entrada de Kiev na OTAN e instalações de mísseis perto das fronteiras da Rússia.

Washington considera muitas das propostas como inaceitáveis, mas pressionou o Kremlin a discuti-las em conjunto com Washington e seus aliados europeus.

READ  Tarde: primeiras postagens no Google Pixel 6 e Pixel 6 Pro

Ainda assim, Biden, que se juntará à ligação de fim de semana do retiro presidencial na montanha em Camp David, Maryland, há muito acredita que o envolvimento individual com Putin pode ser a melhor chance de uma resolução.

Duas ligações em dezembro entre Biden e Putin não produziram avanços, mas prepararam o terreno para a diplomacia entre seus assessores. Os dois líderes não se falaram desde então, e diplomatas de ambos os lados têm lutado para encontrar um terreno comum. As negociações de quatro vias em Berlim entre Rússia, Ucrânia, Alemanha e França na quinta-feira não progrediram.

Putin também planeja falar com o presidente francês Emmanuel Macron no sábado, de acordo com a agência de notícias russa TASS.

REUNIÃO DE FORÇAS

A inteligência dos EUA acredita que um ataque rápido a Kiev é possível e que Putin pode ordenar uma invasão antes que os Jogos Olímpicos de Inverno terminem em 2 de fevereiro. Em 20 de dezembro, o conselheiro de segurança nacional de Biden, Jake Sullivan, disse a repórteres na sexta-feira, acrescentando que ainda não está claro se tal comando foi dado.

Ele disse que eles reuniram tropas suficientes perto da fronteira para invadir o país e que podem iniciar um bombardeio aéreo.

No Twitter, o vice-embaixador da Rússia na ONU, Dmitry Polyanskiy, acusou Washington de atiçar a “histeria” e montar uma “campanha de pânico”.

Autoridades ucranianas tentaram conter a avaliação de Washington de que uma invasão pode ser iminente.

No entanto, Washington planeja enviar 3.000 soldados extras para a Polônia, vizinha ocidental da Ucrânia, nos próximos dias para tentar ajudar a tranquilizar os aliados da Otan, disseram quatro autoridades americanas à Reuters. Eles se somam aos 8.500 já em alerta para implantação na Europa, se necessário. consulte Mais informação

READ  Ações, queda futura da inflação nos EUA Aumenta o medo: os mercados dobram

Enquanto isso, as forças russas se reuniram ao norte, sul e leste da Ucrânia quando seis navios de guerra russos chegaram ao Mar Negro e mais equipamentos militares russos chegaram à Bielorrússia. Comercial imagens de satélite de uma empresa dos EUA mostrou novos desdobramentos militares russos em vários locais perto da fronteira.

Antes das conversas com Putin, Biden falou sobre a crise com os líderes da Grã-Bretanha, Canadá, França, Alemanha, Polônia e Romênia, além dos chefes da OTAN e da UE. O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, também conversou com o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba.

“Nosso apoio à soberania e integridade territorial da Ucrânia é inabalável”, disse Blinken após a ligação na sexta-feira.

Washington também expressou preocupação de que a Rússia e a China estejam cooperando no mais alto nível, com um alto funcionário do governo dizendo no sábado que os dois estavam “trabalhando para nos minar”.

Um acordo de parceria entre Moscou e Pequim mostra que eles estão em “alinhamento fundamental” que está se aproximando, e uma reunião entre Putin e o presidente chinês Xi Jinping mostra que Pequim vê os movimentos de Moscou em relação à Ucrânia como “legítimos”, disse o funcionário a repórteres que acompanham Blinken em um voo da Austrália para Fiji.

Registre-se agora para ter acesso GRATUITO e ilimitado ao Reuters.com

Reportagem de Trevor Hunnicutt; Reportagem adicional de Humeyra Pamuk; Edição por William Mallard e Lincoln Feast.

Nossos padrões: Os Princípios de Confiança da Thomson Reuters.