Agosto 14, 2022

Strobe

Acompanhe as últimas notícias de Portugal no NewsNow: o balcão único para as notícias de Portugal.

Rússia invade a Ucrânia: atualizações ao vivo

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, é visto em seu escritório durante uma reunião virtual com membros de seu conselho de segurança em 25 de fevereiro.
O presidente da Rússia, Vladimir Putin, é visto em seu escritório durante uma reunião virtual com membros de seu conselho de segurança em 25 de fevereiro. (Alexei Nikolsky / TASS / Getty Images)

O presidente russo, Vladimir Putin, foi muito claro sobre seus objetivos básicos ao invadir a Ucrânia: ele quer desarmar o país, cortar seus laços com a aliança militar da Otan e acabar com as aspirações do povo ucraniano de se juntar ao Ocidente.

Embora adivinhar exatamente como ele planeja executar esse plano seja uma questão diferente, a história pode servir de guia para entender os possíveis finais de Putin.

Anexação da Crimeia 2.0

Se as forças russas forem capazes de capturar a cidade portuária de Odessa, na Ucrânia, é possível imaginar uma ponte terrestre estendendo-se por todo o sul da Ucrânia, potencialmente até ligando a Transnístria – um enclave separatista na Moldávia, onde as tropas russas estão estacionadas – a Odessa, Crimeia e sul e leste da Ucrânia.

Uma Ucrânia dividida

Se Putin tem em mente a divisão, a Ucrânia galega e a cidade de Lviv – perto da fronteira polonesa – poderiam ser parte de uma espécie de estado ucraniano remanescente, enquanto a Rússia concentra suas atenções no leste do país.

Um estado pró-russo

oficiais de inteligência ocidentais avisar que A Rússia está planejando derrubar o governo democraticamente eleito da Ucrânia, substituindo-o por um regime fantoche. Putin sugeriu que vê o atual governo democraticamente eleito na Ucrânia como ilegítimo e lamentou a deposição do presidente pró-Rússia Viktor Yanukovych em 2014. A Ucrânia tem outros políticos que podem estar ansiosos para preencher as fileiras de um governo pró-Rússia, instalado possivelmente à força.

Uma ocupação inquieta

A Rússia diz que não quer ser um ocupante, mas é fácil imaginar um cenário em que a Rússia tente impor sua forma de domínio pesado à Ucrânia. Isso seria uma pílula difícil para os ucranianos engolirem, pois eles têm imprensa livre, política local livre e uma tradição de protesto de rua. No sistema político russo, protestos genuínos da oposição são amplamente proibidos ou muito difíceis de organizar.

READ  Futuros de Wall St e euro com esperanças de cúpula de Biden-Putin

Uma ocupação violenta

Putin não teve problemas em apoiar homens fortes locais violentos com pouca consideração pelos direitos humanos. Sua própria ascensão política começou com a pacificação da Chechênia, uma república separatista no norte do Cáucaso, na Rússia.

Uma república do medo

A Rússia tem um temível aparato de segurança interna que prende e persegue dissidentes e mantém oponentes potencialmente problemáticos fora da política. Os ucranianos que vivem na Crimeia – que foi ocupada pela Rússia em 2014 e anexada após um referendo amplamente visto como uma farsa – experimentaram em primeira mão como é viver em um estado onde o FSB, o serviço de segurança estatal da Rússia, é todo-poderoso.

Você pode ler o analise completa aqui.